Política de Cotas para Negros na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – um estudo sobre os fatores da permanência*

Mariluce Bittar, Maria José de Jesus Alves Cordeiro, Carina Elisabeth Maciel de Almeida

Resumo


Este artigo analisa a implantação da política de cotas na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. A pesquisa desenvolveu-se por meio de análise documental e entrevistas com alunos cotistas negros da UEMS. O principal objetivo consistiu em identificar os fatores que contribuem para a permanência desses alunos na educação superior. A UEMS implantou a reserva de 20% de vagas para negros por meio da Lei Estadual n. 2.605 de 2003, como resultante da pressão dos movimentos sociais. Apesar de encontrarem dificuldades econômicas para permanecerem em seus cursos de graduação, os entrevistados afirmaram que o sistema de cotas possibilitou o acesso e, principalmente, a reflexão sobre a identidade negra e a discriminação racial no ambiente acadêmico. Faz parte das funções da universidade atender a demanda por mais educação e o acesso de brancos, negros e índios constitui-se num anseio social e num direito constitucional.


Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, Michael W. Educação e Poder. Tradução de Maria Cristina Monteiro. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

BRASIL. Conferência Mundial contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata. Brasília–MEC, 2001.

______. Parecer CNE/CB/003/2004 Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Brasileira e Africana. Brasília: MEC/CNE, 2004.

CIAMPA, Antonio da C. A estória do Severino e a História da Severina. 1. ed. São Paulo, Brasiliense, 1987.

______. A Identidade Social e suas relações com a Ideologia. São Paulo, Dissertação de Mestrado PUCSP, 1977.

CONCEIÇÃO, Beatriz Helena Teixeira. O programa de superação das desigualdades raciais de Mato Grosso do Sul e educação. Dissertação de mestrado. Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. 2003.

CORDEIRO, Maria J. de J. Alves. Sustentabilidade, educação escolar e formação de professores indígenas. Revista TELLUS, ano 5, n. 8/9, abr./out. 2005. Campo Grande-MS: UCDB, 2005.

______ . Cotas para negros e índios na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul: trajetória e desempenho acadêmico dos cotistas sob os olhares e relações vigentes na academia. In: III Jornada de Educação da Região da Grande Dourados e VII Semana Acadêmica do Curso Normal Superior. Julho de 2006, Dourados-MS. CD – ISBN 8598598-22-4.

______ . Cotas para negros e índios na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul: trajetória e avaliação do desempenho acadêmico dos cotistas sob os olhares e relações vigentes na academia. In: IV Mostra de Pesquisa em Educação da PUC-SP. Agosto de 2006, São Paulo-SP. CD – IBSN 852830336-5.

______ . As diferenças culturais e a educação na (re)construção da identidade étnico-racial. In: II Seminário Internacional: fronteiras étnico-culturais, fronteiras da exclusão – práticas educativas num contexto intercultural. Setembro de 2006. Anais... Campo ­Grande-MS: UCDB, CD – IBSN 85-7598-108-0.

______. Três anos de efetiva presença de negros e indígenas cotistas nas salas de aula da UEMS: primeiras análises. In: BRANDÃO, André Augusto (Org). Cotas raciais no Brasil. Rio de Janeiro: DP&A, 2007, p. 81-114.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

GIROUX, Henry. Teoria crítica e resistência em educação: para além das teorias de reprodução. Tradução de Ângela Maria B. Baggio. Petrópolis: Vozes, 1986.

GOFFMAN, Erving. Estigma - notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

IBGE. Dados de 1999. Disponível em: <www.ibge.gov.br>. Acesso em: 15 set. 2007.

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Raça define melhores salários. Disponível em: <http://clipping.planejamento.gov.br/Noticias.asp?NOTCod=116892#>. Acesso em: 15 set. 2007.

MUNANGA, Kabengele. Políticas de ação afirmativa em benefício da população negra no Brasil: um ponto de vista em defesa das cotas. In: SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves; SILVÉRIO, Valter Roberto (Orgs). Educação e ações afirmativas – entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília: INEP, 2002. p.115-28.

NUPS/PROE/UEMS. Processo COUNI-UEMS n. 003/2006. Disponível em: <http://www.uems.br/internet/anex0os/texto1832.doc>. Acesso em: 20 set. 2007.

ROCHA, Carmem L. Antunes. Ação afirmativa - o conteúdo democrático do princípio da igualdade jurídica. Revista Trimestral do Direito Público, n. 15/85.

SANTOS, Boaventura Sousa. Pela mão de Alice. São Paulo/SP, Autores Cortez, 2003.

UEMS. Resolução CEPE n. 382/2003 de 14/08/03 e Resolução CEPE n. 430 de 30/07/04 que Regulamenta os Critérios de Inscrição para candidatos às Cotas de Negros e Indígenas. Dourados: UEMS, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/serie-estudos.v0i24.248

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2318-1982 
ISSN impresso: 1414-5138 (até n.34, jul./dez.2012)

 

 


Indexada em: