LIMITAÇÕES IMPOSTAS À ESCOLARIZAÇÃO DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME.

Lívia Custódio, Ilvana Gomes, Ilse Leitão

Resumo


Introdução: A doença falciforme (DF) faz parte do grupo hemolítico, crônico e hereditário, avaliada como uma das principais e mais frequentes patologias de morbimortalidade significativas que acomete a população, possui grande diversidade de manifestação clínica, se apresentam através de uma série de complicações e sintomatologia que impactam diretamente a qualidade de vida do doente. O objetivo deste estudo foi conhecer as experiências e as limitações impostas pela doença falciforme à escolarização. Metodologia: Estudo descritivo, qualitativa, realizado em 2016, com 16crianças e adolescentes com diagnóstico da doença falciforme, em um hospital público de Fortaleza. Os dados foram coletados através de entrevista semiestruturada e a construção do desenho-estória, analise de Bardin. Resultados: entre os achados, observaram-se as caracterizações dos participantes e, as limitações impostas pela doença à escolarização. Conclusão: a presença de sintomas dolorosos associados à doença falciforme e os constantes tratamentos podem alterar seu funcionamento físico e mental e social.


Palavras-chave


Adolescente; Criança; Educação; Saúde Escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARRIGA, Francisco et al. Hematopoietic stem cell transplantation: clinical use and perspectives. Biol. Res., v. 45, n. 3, p. 307-316, 2012.

BARROS, Ana Beatriz S. de. Dúvidas dos familiares de crianças com necessidades especiais de saúde quanto os cuidados domiciliares. 71 f. Monografia (Graduação em Enfermagem). Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, UFF, 2016.

BARSAGLINI, Reni A.; PAZ, Késia M. da; LEMOS, Patricia L. Qualidade de vida e cuidado às pessoas com doença falciforme. Interface, Botucatu, v. 19, n. 52, p. 195-200, mar 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 Set. 2017.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente. 4.ed. Brasília: Câmara dos Deputados, 2003.

BRASIL. Portaria 399/GM de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o pacto pela saúde 2006 - consolidação do SUS e aprova as diretrizes operacionais do referido pacto. M. Saúde. Brasília, Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Doença Falciforme: Hidroxiureia, uso e acesso. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: .Acesso em: 05 mai 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. Doença falciforme: diretrizes básicas da linha de cuidado. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRITO, Neusa et al. A doença crônica no contexto escolar: os saberes de alunos com Anemia Falciforme. Revista de Educação Pública, Revista de Educação Pública, v. 26, n. 62/2, p. 675-693, 2017. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2017.

CHAKRAVORTY, Subarna; WILLIAMS, Thomas N. Sickle cell disease: a neglected chronic disease of increasing global health importance. Arch Dis Child. 2015, v.100, p. 48–53.Disposnivel em: . Acesso em: 19 set 2017.

CANCADO, Rodolfo D.; JESUS, Joice A. A doença falciforme no Brasil. Rev. Bras. Hematol. Hemoter., São José do Rio Preto, v. 29, n. 3, p. 204-206, Sept. 2007.

COUTINHO, M P. L. Saraiva ERA, organizadoras. Métodos de pesquisa em psicologia social: perspectivas qualitativas e quantitativas. João Pessoa: UFPB/Editora Universitária; 2011.

DE MORAES CASTELO, Natália et al. Anemia falciforme sobre o olhar de pessoas com a doença no Amapá. Ciência Equatorial, v. 2, n. 2, 2012.

DIAS, Ana L. A. A (Re) Construção do caminhar: itinerário terapêutico de pessoas com Doença Falciforme com histórico de úlcera de perna. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva). Bahia: Instituto de Saúde Coletiva, ISC, 2013.

FERREIRA, Mayara K. M. et al. Criança e Adolescente Cronicamente Adoecidos e a Escolarização Durante a Internação Hospitalar. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 639-655, Dec 2015.

GESTEIRA, Elaine C. R.; BOUSSO, Regina S.; RODARTE, Alzilid C. Uma reflexão sobre o manejo familiar da criança com doença falciforme. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, v. 6, n. 3, 2016.

KRAL, Mary C. et al. Radiographic predictors of neurocognitive functioning in pediatric sickle cell disease. Journal of child neurology, v. 21, n. 1, p. 37-44, 2006.

KIKUCHI, Berenice A. Assistência de enfermagem na doença falciforme nos serviços de atenção básica. Rev Bras. Hematol. Hemoter. São José do Rio Preto, v. 29, n. 3, p. 331-338, 2007.

LORENCINI, Grace R. F.; PAULA, Kely M. P. de. Perfil comportamental de crianças com anemia falciforme. Temas em Psicologia, v. 23, n. 2, p. 269-280, 2015.

MACKIN, Scott et al. Neuroimaging abnormalities in adults with sickle cell anemia Associations with cognition. Neurology, v. 82, n. 10, p. 835-841, 2014.

MARQUES, Larissa N.; CAVALCANTI, Alessandra; RUZZI-PEREIRA, Andrea. O viver com a doença falciforme: percepção de adolescentes. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 26, n. 1, p. 109-117, 2015. Disponível em: < https://www.revistas.usp.br/rto/article/viewFile/52376/96500>. Acesso em: 10 dez. 2017.

MORRIS, Claudia R. Mechanisms of vasculopathy in sickle cell disease and thalassemia. Hematology. The Education Program of the American Society of Hematology American Society of Hematology Education Program. Hematology. v. 2008, n. 1, p. 177-185, 2008.

OLIMPIO, Sarah L. S. As estratégias das pessoas frente à doença falciforme: do estigma à “cura”. 44f. Monografia (Graduação em Saúde Coletiva). Brasília: Universidade de Brasília, UNB, 2015.

Organização Mundial da Saúde (OMS). O cuidado das condições crônicas na atenção primária a saúde: o imperativo na consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, DF, 2012.

REZIO, Marília Arantes. Qualidade de vida relacionada à saúde de adolescentes com doenças crônicas. 87 f. Dissertação (Mestrado em Nutrição e Saúde). Goiânia: Universidade Federal de Goiás, UFG, 2016.

RUFFIEUX, Nicolas et al. Association between biological markers of sickle cell disease and cognitive functioning amongst Cameroonian children. Child Neuropsychology, v. 19, n. 2, p. 143-160, 2013.

SCHNEIDER, Karine L. K.; MARTINI, Jussara G. Cotidiano do adolescente com doença crônica. Texto & Contexto Enfermagem, v. 20, 2011.

TRINCA, Walter. Formas de investigação clínica em psicologia: procedimento de desenhos-estórias: procedimento de desenhos de família com estórias. Vetor, 1997.

XAVIER, Aline S. G. Experiências reprodutivas de mulheres com anemia falciforme. Dissertação (Mestrado Escola de Enfermagem). Bahia: Universidade Federal da Bahia, UFBA, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/serie-estudos.v23i49.1128

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2318-1982
ISSN impresso: 1414-5138 (até n.34, jul./dez.2012)

 

Indexada em: